quarta-feira, 15 de agosto de 2012

As Roses da minha vida

Salut pessoas!

Sabe quando dizem que "quando a água bate na bunda a gente aprende a nadar"? Pois é, pelo menos pra mim o ditado é verdadeiro. 

Desde criança, sempre tivemos a sorte (depende do ponto de vista) de ter uma emprega doméstica em casa. Meus pais trabalhavam e ainda trabalham o dia inteiro, por longas horas e também durante a noite em vários dias da semana. E ainda, com 3 filhos em casa, a vida sem uma ajudante era bastante difícil. Por isso, desde que me entendo por gente, sempre teve alguém em casa encarregada de todos os afazeres domésticos.

O tempo passou, a criança cresceu, achou que ficou responsável, conheceu uma outra criança grande que sempre foi o filhinho da mamãe e juntos resolveram brincar de casinha em tamanho real. Mas, antes mesmo da brincadeira começar, já estávamos lá nos dois escolhendo quem seria o adulto da casa, aquela pessoa que colocaria ordem na bagunça. Nem cogitei a possibilidade de não ter uma ajudante, afinal também trabalhava muito e queria aproveitar meus finais de semana! Entre algumas idas e vindas, erros e acertos, eis que surge a Rose.

A Rose era uma pessoa meio louca, estabanada, que adorava tomar meus Yakults e se trancar sem querer na sacada. Ninguém podia começar uma conversa com ela, senão ela não parava de falar! Sempre tinha uma historia para contar. E pra mim, o melhor de tudo era que quando eu chegava cansada e estressada em casa a noite, o apartamento estava impecável.

Um belo dia, esses dois desajuizados resolvem se mudar para o Canadá. Mas e a Rose? Tem como levar na mala? No que dependesse dela, sim, ela estaria aqui em casa com a gente. Mas infelizmente a Maura não deu um visto pra ela também e a Rose teve que ficar no Brasil.

Chegando aqui, a água bateu na bunda! E não é que estamos aprendendo a nadar? O tema "faxina" foi um tabu nos primeiros meses aqui. Era só tocar no assunto que o meu bom humor ia embora rapidinho. Mas aos poucos fomos nos acostumando, e hoje já não é algo que nos faz perder o sono. Não deixou de ser chato, mas as "modernidades do primeiro mundo" diminuem consideravelmente o trabalho.

E a Rose que ficou no Brasil foi substituída pela Rosie canadense. Ela não fala tanto que nem a outra, nem toma meus Yakults, mas é estabanada e vive dando cabeçadas na parede e se enroscando nos móveis. A vantagem é que a Rosie canadense deixa o chão perfeitamente limpo, igual a Rose brasileira. A unica exigencia dela é que a gente tire as coisas do caminho para ela passar!


No final de um dia intenso de trabalho, tudo o que ela mais quer é ir pra casa e recarregar as energias por que ela sabe que em alguns dias, começa tudo de novo!


Em breve, Rosie canadense vai trazer uma companheira para ajuda-la aqui em casa. Enquanto ela varre/aspira o chão, sua amiga vai passando pano úmido (que inclusive é descartável e já vem umedecido do supermercado mesmo, nada de balde, pano de chão, etc). Pois quando o assunto é faxina, conseguimos encontrar por aqui várias opções que facilitam a nossa vida e transformam essa obrigação em uma tarefa menos difícil (ainda não prazerosa).

E amigas futuras imigrantes, comecem desde já a educar seus maridos para ajudar nas tarefas de casa, caso eles não ajudem. Tenho a sorte de ter um marido maravilhoso que me ajuda em tudo, mas ainda ouvimos histórias de vez em quando de alguns seres machistas que aparecem por aqui.

A bientôt.

10 comentários:

Pati e Temps disse...

Já estou me preparando psicologicamente para as tarefas domésticas. Eu até gosto de fazer algumas coisas, como lavar louça e roupa, limpar o fogão... mas não consigo me imaginar limpando o banheiro!!! Acho que não sei nem como começar!!! rsrsrsr
Fico com vergonha de admitir isso, mas é verdade!
Mas o maridão é ótimo e me ajuda bastante!!!


flavs disse...

Ontem a nossa Rose se trancou no quarto e não quis limpar a sala como a gente esperava. Mesmo rebelde, ela é indispensável! Agora eu preciso de uma pra fazer marmita. Será que existe?

Fabiano disse...

Queria uma para tirar pó dos móveis e lavar o banheiro..rs

SonhoComCanada disse...

Que prático. Custa muito caro uma Rosie canadense ??
Ninguém gosta de fazer faxina, né ? Quando morei sozinha em SC, eu colocava música pra me animar um pouco nessas faxinas.

abraços;
Catherine
http://meetyoutherecanada.blogspot.com/

Fabiano disse...

Olá Catherine

Custa 300 dolares canadenses nas melhores lojas do ramo :)

Com o pé no Canadá disse...

Tbm me da calafrios esse assunto. Mas as amigas novas me animam.
Bjs, Sa

Lupatinadora disse...

Marido ainda não deixou eu comprar a Rosie - só que quem passa o aspirador sou eu, não ele! Aff!

Já gastei muitos reais em terapia, mesmo ainda no BR, por conta de serviços domésticos, comida, supermercado etc e tal. Ao mudar pra cá já sabia da vida sem criadagem (até pq fiz high school com família hospedeira nos States) e já avisei o marido que só me mudava pra apto com lava-louça e máquina de lavar e secar dentro (nada de lavanderia coletiva - como diz um amigo nosso, lavanderia coletiva só é bonito no Friends!).

O nível de limpeza aqui em casa é baixíssimo se comparado aos tempos da Maria, que passava 2 dias full-time só limpando a casa. Minha mãe veio pra cá e ficou varrendo as coisas. Mas "a clean house is a sign of a wasted life", lol!

Quando o marido começa a fazer corpo mole falo que quero contratar uma cleaning lady, aí ele faz as contas que custa $60 por semana pra dita-cuja vir aqui 3 horas e ele resolve por a mão na massa!

Fabiano disse...

Recomendo a compra desse robô, mas o ideal mesmo é ter também o outro que passa pano (seco ou úmido), assim, este completa o serviço.
Este robô do post é o que tira o pó/farelo/cabelo pois ele aspira.

Lupatinadora disse...

Já escolhi o meu robô que passa pano na Amazon!

http://www.amazon.com/Mint-Automatic-Cleaner-Charging-Cradle/dp/B005O0K3ZS/ref=wl_it_dp_o_pC_nS_nC?ie=UTF8&colid=1T657I3G9NS64&coliid=I3U580PVDB4Z3R

Fabiano disse...

Olà

Temos um desse tmb, mas eh uma versao abaixo, um cinza...mto bom, pode comprar sem medo..rs.