quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Saiu no jornal daqui

Quando virei a página do Metro ontem de manhã e vi uma receita de coxinha, até me assustei. Nunca vi coxinha por aqui mas também nunca procurei - a unica vez que vi e até comemos, foi no Guanabara, pois por acaso acabamos passando na frente. Também nao sei a coxinha é algo conhecido pelas 251893 nacionalidades que vivem nessa terra e se essa receita (com titulo em português) despertará curiosidade ou nao. Mas enfim, a receita saiu no jornal e está ai a prova!



Chegando no trabalho, comentei com o pessoal sobre a receita brasileira que saiu no jornal. Alguns falaram que ignoraram pois não entenderam o que eram aquelas palavras, e algumas pessoas me perguntaram se era esse o tal do croquette de poulet que os brasileiros comem todo dia. Ao ouvir esse "todo dia" meu sinal de alerta tocou! Pelo menos eu, só comia coxinha quando ia em alguma festinha de aniversario de criança (e isso nao era muito frequente), por isso, acabei explicando e tentando desmistificar um pouco o mito do consumo da coxinha por esse povo tao estranho que somos nós, os brasileiros.

Depois disso, fiquei pensando um pouco sobre os hábitos alimentares dos brasileiros (rsrsrsrs) antes e depois da imigração e algumas perguntas ainda passam pela minha cabeça. Alguém que ainda está no Brasil, me responda por favor, quantas vezes na semana você come coxinha? Brigadeiro? Pudim de leite? Feijoada? 

Pelo menos eu e o Fabiano, só consumiamos essas delicias muito raramente. As vezes até uma vez por ano e não mais do que isso!!!! Agora pergunto: Sei que não tenho nada a ver com o que o povo come ou deixa de comer, mas por que vemos tantos brasileiros chegando aqui e já ficando desesperados por comidas tipicas como coxinha e brigadeiro? Muitos com pouquíssimos meses de imigração? Será que essas pessoas comiam essas coisas todos os dias ou toda semana antes de imigrar? Definitivamente é algo que não consigo entender....

Consideramos que uma das coisas legais que a imigração nos trouxe, foi a possibilidade de conhecer diferentes culturas e consequentemente experimentar novos pratos. Saímos do arroz e feijão de cada dia e nos abrimos para novas experiências. Descobrimos que gostamos de muitas coisas que sei que não comeríamos se ainda estivéssemos no Brasil (não falo de coisas bizarras, como carne de cachorro, tartaruga, insetos e etc) e temos deixado muitas outras coisas de lado que não estao nos fazendo a falta tão grande que faziam antes, como por exemplo a carne de boi. 

Acho que isso também faz parte do pacote adaptação ao novo país, nova cultura, etc e pelo menos pra mim, ficar preso a essas coisinhas (como a busca pela coxinha ou do brigadeiro de cada dia) dá a impressão que a pessoa nao imigrou 100% e está vivendo fisicamente aqui mas com a cabeça ainda no Brasil. Mas como disse, é a minha opinião e cada um come o que tem vontade! 

Mas, se eu puder deixar um conselho para quem ainda vai chegar, meu conselho seria: estejam abertos para as novidades! O mundo é grande demais e oferece uma quantidade infinita de coisas novas para conhecermos a cada dia! Explorar coisas novas e sair da zona de conforto também faz parte da adaptação, além de que também pode ser algo muito gostoso, e não difícil e traumático como dizem por ai! 

A bientôt!

14 comentários:

Rafa e Larissa disse...

Concordo muito! Temos que imigrar de corpo e alma! Não adianta sofrer tanto para chegar aqui e manter a cabeça (ou o estômago!) no Brasil.
Temos tanto para aprender e descobrir nessa nova vida né?!
Adorei o post! Obrigada por hoje!
Bjs

Jucilaine Nogueira disse...

QUEM em sã consciência come coxinha todo dia? oO kkkkk colesterol mandou um beijo kkkkk

Fabiano disse...

Eu Juci :), assim como a pizza..rs, mas é isso mesmo, nao dá, não tem saúde que aguente.

Tarcizo disse...

KKKK!!!!
Eu adoro brigadeiro... Mas aqui tem leite condensado e tudo...
Agora nao da pra comer toda vida nao neh...

Ju pelo menos nao sou soh eu q penso como voce... Tem tanta coisa aqui pra conhecer ainda e os marditos dos groupons lascam a gente mais ainda neh!!!

Fabiano disse...

Tarciso, eh verdade, ja testamos o groupon com o Bâton Rouge, fantastico!... :)

maisumageracao disse...

ahahaha muito bom esse post...
Ainda estou no Brasil e talvez o que posso sentir saudades é de feijão e pão de queijo (coisas que como com mais frequência)...
Bjs.,
Neila

Fabiano disse...

Não se preocupe Neila, aqui vc acha feijão (preto, carioca, vermelho, marrom), e pão de queijo tmb, tanto pronto qto os ingredientes pra fazer.

SonhoComCanada disse...

eu só como essas coisas quando vou a aniversário, como faz TEMPOS que não vou...com certeza, a gente passa a provar, experimentar coisas novas. Estou fazendo um pouco disso antes de ir para o Canadá como imigrante. Visto que já andei fazendo Nanaimo Bars aqui em casa. Mas fico na expectativa de provar de novo quando estiver em terras canadenses pra ver se a que fiz ficou boa ou preciso melhorar muito.
Até salmão eu provei quando estive em Montreal em 2003.
Tem gente que não troca por nada desse mundo o que se come aqui no Brasil. E acho que a questão da comida é algo que leva essas pessoas a voltarem ao Brasil.

Boa semaninha para vocês;
Catherine;
http://meetyoutherecanada.blogspot.com.br

Fabiano disse...

Não comíamos peixe no Brasil, o salmão era caro e tinhamos outras opçoes, aprendemos a consumir peixe aqui e salmão sempre está presente, qdo tem promoção vale a pena aproveitar e congelar.

Mude a Vida disse...

Eu comia coxinha, brigadeiro, feijoada e outras coisitas brasileiras de vez em quando no Brasil, não só em aniversário... rssss. O que fez falta mesmo e o que quase me matou numa crise de abstinência foi o mate. Chimarrão, aquele do Sul e da Argentina eu achava, mas o Matte Leão, daquele que a gente toma no Rio de Janeiro, não achava... Eu nem esperava que ia sentir tanta falta. E eu sou realmente viciada, senti muita falta. E, depois de ter aprendido a lição, meu estoque me deixa orgulhosa e meu vicio agradece. Fora isso, posso encontrar tudo no mercado, fazer em casa ou até ir num restaurante brasileiro e matar a saudade de uma coisinha ou outra =D

QUEBEcLEZA! disse...

Vou começar respondendo a pergunta se comemos isso todo dia. Basicamente a resposta é não. Mas tb não é como se fosse algo extremamente raro na minha vida. Festas em geral eu como isso, não só as de aniversário. De qualquer forma a coxinha não é o meu risoles favorito, mas os outros... Como sim! Não todo dia, mas se estivesse na rua com fome talvez eu compre ^^

Quanto a falta desesperadora que as pessoas sentem disso assim que chegam ai eu vou dizer a minha experiencia. Fiquei em Vancouver 6 meses e eu nunca gostei mais de Ivete na minha vida do que nessa época. Gosto dela, mas não escuto em casa. Alias capaz de só ouvir no carnaval (ainda assim não ouço por conta própria) ja que ela sempre tem uma musica que estoura nessa época. Mas devido ao mundo de coisas novas ela era uma coisa familiar que me dava a segurança de algo conhecido, sei la. Eu particularmente não senti falta de muita coisa, só de pastel =D

o meu caso era um curso então eu sabia que ia voltar pra casa dentro de um prazo - o que me ajudou a não sentir falta de muita coisa, inclusive pessoas. Quando eu voltei senti falta de algumas coisas de lá, justamente pq justamente pq eu não sabia (e não sei) quando vou poder ter essas coisas de novo.
No caso de uma imigração é tempo indeterminado (ou pra sempre) acho que isso causa uma saudade maior. Concordo que se você quer imigrar deve abraçar o novo pais e o que ele oferece. Deve estar aberto as novidades. Realmente não é imigrar 100% se ficar querendo viver como se vivia no Brasil.

Nossa, fiz um texto enorme! Foi mal...


Ass: Ela.

Lupatinadora disse...

No aniversário do meu marido encomendei um cento de coxinha/bolinha de queijo só pra fazer uma graça (até pq é caro!) e acabou rapidíssimo - brazucas e gringos atacaram!

Comemos de tudo e fomos 1 vez apenas a restaurante brasileiro aqui.

Confesso que de vez em quando me dá umas vontades estranhas, tipo Danette de Doce de Leite (que nem quando eu trabalhava na Danone eu comia!), mas depois passa. Mantenho alguns pequenos vícios alimentados pelas viagens/amigos que trazem ou pelo mercado português:
- pão de queijo - esse não falta em casa, é lanche de domingo! Tem coisa mais prática?
- picanha, farofa, coraçãozinho, sal grosso - nosso churrasco-básico! Agrada a brazucas e gringos! Incorporamos algumas gringuices como pão de alho, aspargos etc.
- Biscoito Bono, Passatempo, polvilho etc: quando vou no Nosso Talho sempre compro uma porcaria dessas - até porque porcarias similares no supermercado normal são até mais caras!
- Paçoca Amor: essa tenho comido mais aqui que no Brasil! Sempre que viajo ou alguém vem encomendo 2 caixas. Semana que vem pego mais 2 e ainda tenho estoque!
- Nescau e Ovomaltine Crocante: por pura preguiça de comprar outro achocolatado e não gostar. Nem de Toddy eu gosto. Então já compro o Nescau de uma vez. O Ovomaltine vem do BR, só lá ele é crocante ;-)

Fabiano disse...

Eu compro um achocolatado muito bom, é da "president choise", diz ser mistura para leite, esse tem no maxi, no IGA tem um outro tmb da marca deles que diz ser também mistura para leite, mto bom por sinal.

Manuela disse...

Penso exatamente o mesmo. A unica coisa do Brasil que eu compro aqui é o café porque é uma questao de vicio. rs. Adoro brigadeiro. Mas, por exemplo, quando vim trouxe uma lata de leite moça e essa ficou guardada um ano mais ou menos antes que eu tivesse vontade de fazer.